O Hábito

Theo

Eu tava organizando o excesso de livro do meu quarto e me deparei com um presente de 2002. 


Era meu último ano na escola e fizemos um troca-troca de presente entre os amigos. Saí pedindo um livro pra todo mundo HAHAHAHA
Ganhei Os 7 Hábitos dos Adolescentes Altamente Eficazes do Sean Covey. 
Nunca consegui ler mais que 50 páginas do livro. Não faz meu tipo. Mesmo.
Para não dizer que ele é todo desinteressante, tem uma charada bem no começo que eu achei genial:
Quem sou eu?
Sou sua companhia constante.
Sou seu maior ajudante ou seu mais pesado fardo.
Eu o conduzirei ao sucesso ou o levarei ao fracasso.
Estou completamente ao seu dispor e sob suas ordens.
A maioria das coisas que precisar fazer pode passá-las a mim,
porque estarei apto a fazê-las rápida e corretamente.
É fácil lidar comigo – basta ser firme.
Mostre-me exatamente como quer que algo seja feito e,
depois de algumas lições, eu o farei de maneira automática.
Sou o servo de todos os grandes seres e também, infelizmente,
de todos os fracassados.
Aos vitoriosos, eu os fiz vencer.
Aos fracassados, eu os fiz fracassar.
Não sou uma máquina, embora trabalhe com toda a precisão de uma
máquina e com a inteligência de um humano.
Você pode me usar para lucrar ou se arruinar – não faz diferença pra mim.
Use-me, treine-me, seja firme comigo
e eu colocarei o mundo ao seu dispor.
Esmoreça comigo e eu o destruirei.
Quem sou eu?
Desde então “esmoreça comigo e eu o destruirei” reverbera na minha cabeça toda vez que não quero ir malhar ou coisa do tipo. 
Deixando de lado os hábitos indiferentes (tipo manter as unhas sempre curtas), seria mesmo ter apenas bons hábitos fator indispensável para a “vitória” ou maus hábitos são necessários para um equilíbrio?
Fico com a segunda pergunta. E vocês? 
Baci a tutti.
:*


Você vai querer ver esses também!

Publicitária, blogueira, empresária, mãe, mulher, irmã, filha, dona de casa. Mais? Clique na bio e conheça um pouco mais de mim. Beijos.